Cara pálida

Nasci e cresci livre.
Vestia-me das peles dos animais que caçava e na cabeça, por longos anos, como enfeite, usei uma pena… rubra!
Aprendi desde cedo a arte da caça e da pesca. Acompanhava o meu pai e aprendia no terreno, de arco e flecha nas mãos ou voando sobre o rio numa canoa. Lembro-me da primeira vez que cacei… era ainda uma criança, e aquela capivara foi o meu maior triunfo.
Na tribo vivíamos em paz, somos um povo pacifico. As guerras foram noutros tempos, enquanto éramos muitos, enquanto tínhamos terras por que lutar. Outros tempos!
Passávamos as noites abrigados sob as estrelas, ouvindo as histórias do Pajé, contadas com a cadência dos estalidos da fogueira. Falava-nos dos nossos antepassados. Do tempo em que tínhamos apenas o que a terra nos dava. Do tempo em que não ansiávamos por mais do que a terra nos dava. Do tempo, antes da chegada do homem branco.
Desprezei o homem branco. Aprendi que às suas mãos fomos dizimados, escravizados… invejei os que morreram em batalhas sangrentas, na luta contra a aniquilação do seu povo, da sua cultura, da sua identidade. Imaginei-me de corpo pintado, grito estridente, e pena rubra, clamando pelos deuses, assustando o inimigo. Lamentei que não tivessem razão quando nos apelidavam a nós de selvagens, mas afinal éramos nós os chacinados.
Fui Pena Rubra, um guerreiro, um sonhador, o filho mais novo do Cacique.
Fui… tudo terminou no dia em que a vi… cara pálida, bela, feiticeira… perdi-me de amores pela mulher branca e perdi-me dos meus! Sim, fui feliz com ela, amei-a e fui amado, mas vivi prisioneiro de roupas que me esfolavam o corpo, vivi em blocos de cimento… trai o meu povo, no dia em que me mascarei de homem branco e vivi como ele… com ele! A maioria dos anos, fui uma sombra de mim… e ainda assim, por aquela cara pálida, voltaria a fazê-lo!

23 thoughts on “Cara pálida

  1. tas em todo lado😀
    ora em alternes, ora nos campos, ora no mar…:D
    diversificada…!😉

    este texto…percebe-se os personagens…e sua inspiração!😉
    “A maioria dos anos, fui uma sombra de mim… e ainda assim, por aquela cara pálida, voltaria a fazê-lo!”
    Voltaria mesmo?
    Houve desmembramento das raizes (falo de mentalidade do personagem…)?

    bjss e boa dia manit

  2. Fontez,

    Creio que as pessoas qd o dizem, acreditam que o voltariam a fazer, que mais não seja, para justificarem perante si mesmos as opções que tomaram ao longo da vida!
    Não sei se Pena Rubra algum dia se perdoou… por isso, precisa acreditar que valeu a pena!

    Quanto à inspiração, os nomes são giros, eu acho, mas nada do que é escrito pode ser comparado a qualquer realidade.

    Bom dia.

    Beijo.

  3. tudo q se escreve nao vem do nada…;) tudo é pescado da realidade, seja metaforicamente ou nao!

    acredito q se tenha perdoado, mas existem accoes da vida que a gente nao gostaria de repetir…
    não creio q neste caso seja o exemplo…mas…mas…:)

    bj

  4. Fontez,

    Não acreditas que falo de mim sempre que escrevo estas patacudas pois não?
    Agora de realidade sim, do que vejo, do que imagino, e claro do que sinto ou senti, mas não necessariamente numa situação idêntica, não tenho uma vida assim tão diversificada😉
    Claro que há situações e vivências que não gostaríamos de repetir, mas sem elas não seriamos nós. A maioria dos erros que cometi, provavelmente repeti-los-ia, porque ao voltar atrás teria que aprender… tal como já aprendi algumas lições e ainda terei que aprender muitas outras!

  5. Oh, gostei!
    Um indio que fora/é apaixonado por uma “branquela”.

    Sabes que ai há uns anitos vi uma reportagem que nos confins da Amazónia ainda existem tribos indígenas a viverem como antigamente. Alimentando.se do que a terra lhes dá, usando armas feitas de canas e pontas de lança para caçar e a morarem em cabanas. Na mesma reportagem assisti também a uma outra tribo que vivia para os lados de São Paulo e era denominada de “Tribo Moderna”, porque tinham luz electrica, viviam em condições ditas normais. Apenas mantinham a alma indígena. Lembro.me de na altura ter ficado embasbacada a olhar para a tv a achar que aquilo seria impossivel- uma Tribo Moderna – é de rir!😀

    Não me recordo se foi falado, mas talvez nesta tribo seja permitido o casamento entre indios e “caras pálidas” hehehe😛

    beijinhos

  6. Ana,
    🙂
    Que bom que gostaste. (E ainda bem que não se fala de cheiros😛 )
    Eu sou fã dos documentários, vejo alguns do género dos que falas. Mas sobre uma Tribo Moderna, nunca vi. Muitas estão agora diferentes, mas daí a terem luz eléctrica…

    Sempre gostei mais de índios do que de cowboys… e este índio, Pena Rubra, tenho simpatia por ele. É um sonhador, tlv até um pouco feminino… normalmente são as mulheres que abandonam tudo por amor. Quer dizer, acho que só nos contos é que se abandona tudo por amor… a realidade tem muito menos de cor-de-rosa, mas eu gosto do sonho e da fantasia, para seriedade, basta-me acordar de madrugada, trabalhar dez horas ao dia (com sorte) e ter que pagar as contas.

    Beijoca para ti e bom fds!

  7. Quantas vezes não fazemos sacrifícios em nome do Amor? Trocamos tudo o que somos e nos afastamos de nós próprios por ele? Homens e Mulheres, renunciam ao que estimavam e ao seu caminho para perseguir outro, que se lhes deparou entretanto.

    Mas se faria tudo outra vez, valeu a pena…

    Beijinhos.

  8. Htsousa,

    Fazes 2 perguntas, que quanto a mim, tem respostas diferentes.
    Sacrifícios, em nome do Amor, todos fazemos, aliás quase todos. Mas se o fazemos por Amor, não é sacrifício, é ajuste, cedência.
    Por outro lado, renunciar a quem sou, às minhas origens, porque alguém não pode aceitar a pessoa que sou… confesso, isso não estou pronta e duvido se algum dia estarei para o fazer. Nem me passa pela cabeça pedi-lo a alguém. Se amo, amo o pacote completo, com a bagagem e os esqueletos no armário… e só quero que me amem assim!
    Claro que numa relação temos que ceder, que nos ajustar, claro que homens e mulheres o fazem, claro que por vezes nos desviamos da rota traçada, mas no essencial, o veiculo que continuamos a usar por esses caminhos temos que ser nós mesmos, com a sua evolução natural, ninguém nasce e morre igual, mudamos naturalmente, mas isso fazemos por nós próprios, ou pelo menos eu acho que deveríamos…
    Quando disse antes que deixar tudo por alguém era coisa feminina, é pq ainda vejo as mulheres como as grandes românticas, ainda que felizmente, cada vez mais os homens tb o sejam, ou demonstrem.

    “Mas se faria tudo outra vez, valeu a pena…” – Quantas vezes nos enganamos as nós próprios tentando justificar o que fazemos?

    Gostei do teu comentário, tens uma visão diferente da minha e isso mostra-me outros caminhos, outras possibilidades. E um pedacinho de mim, fica na esperança, de que ainda possam existir Amores, que vencem tudo e valham a pena!

    E gosto de ver, como as mesmas palavras podem dizer coisas tão diferentes, consoante quem as lê.

    Beijo e bom fds.

  9. falas se acredito…?
    claro q acredito…
    tb acredito q tenho na manita…uma amiga 4,85 estrelas;) 0,15 de fora pois n existem perfeicoes :fi

    nao falta a “branca”, mas sim a gotica india😀

    existem de certeza erros q n repeterias… sim pra seres o q és agora terias de os repetir…!

    bjss linda.

  10. “…e ainda assim, por aquela cara pálida, voltaria a fazê-lo!”

    Lindo, simplesmente lindo… é lindo quando no fim (ou no meio) de uma caminhada se diz que se voltaria a fazer tudo de novo.

    Por amor também eu faço de cada dia o 1º dia.

    Beijinhos.

  11. Primota,

    Gostei mt desta tua estoria (outro textozito plagiado, mas enfim… puff). Por vezes diz-se tao mal de uns e outros, tantas vezes falamos sem pensar e sem conhecer.. e depois de repente estamos do lado deles e até conseguimos (quase) percebe-los. Provavelmente (nao) aconteceu ao protagonista, mas encontrou um amor tao forte que fez com tudo se virasse…

    Concordo contigo, devemos aceitar o pacote inteiro, ate com os esqueletos do passado… Mas ha situaçoes que nem nós controlamos.

    Tem um bom fim de semana.
    Beijinho grande

    ps- xiquita, como o viriato disse: todos os dias sao o primeiro, por isso HOJE é o 1º, AMANHA será o 1º, assim como o foi ONTEM.

  12. Ó cara pálida minha belezuca, diz aí à andarilha que tem um desafio à espera.

    Martita, havia um Indio famoso chamado sandoval que se ia orgulhar de te ler🙂
    Dizia que que fazia falta que histórias do seu povo fossem contadas pela mão do Homem branco para que as gerações vindouras nunca os esquecessem. Está aqui um pedacinho..´

    Beijos

  13. Fontez,

    Só tu para acreditares.😉
    Quanto aos erros… sei lá eu! Hoje é 2ºf… estou particularmente lerda!😛
    E aqui não há gótica, só “branquela”😛

    Beijo!

    Viriato,

    Ora aqui tenho mais um romântico… isso sou eu que acho lindo!🙂
    É muito bom ver que alguns tiram mensagens muito mais positivas do que as que escrevi… obrigada!

    Beijinhos!

    Xiquita,

    Ora aqui está um belo exemplo de um comentário desajustado, idiota e sem nexo… parabéns! Ah é verdade, gosto particularmente dos anónimos que por aqui passam, portanto volta quando queiras, mas como eu sou um bocado egoísta, fala pra mim ou de mim!

    Cátia,

    Em primeiro lugar primota, obrigada pela forma como esclareceste a “nossa” xiquita, foste perfeita. Gosto de te saber por cá, atenta.

    Claro que foi mais um textozito plagiado, este foi um plagio de uma grande obra escrita pelo meu canário!😛

    A sério, que bom que gostaste. Acho que tal como dizes, Pena Rubra não entendeu os brancos, mas por amor viveu como eles, entre eles… suportou-os! Não sei se este Homem se entende a si próprio, ou aos outros, mas pelo menos conhece a outra versão, o outro lado…

    Beijo grande!

    M.,

    Ohhhh isso não se faz… tu já viste o quanto será idiota e difícil o desafio para mim???😀
    Mas aceito, acho-o divertido… vou tentar desenrascar-me!

    Obrigada pelo teu comment, mas não sei se o meu post não está cheio de incorrecções… Talvez o Índio Sandoval me achasse apenas uma cara pálida que fala do que não sabe… não andaria longe da verdade…

    Beijos!

  14. Bom dia primota,

    Finalmente consigo imitir alguns sons pela minha garganta, coisa que andou complicada. Foi um silencio a minha volta… lol. Finalmente um pouco melhor!!

    Espero que o fim de semana tenha corrido bem, hoje é segunda feira é certo, mas o Natal aproxima-se e as possíveis ferias tambem..

    Beijinho grande e um abraço apertado em ti

  15. De certa forma este texto fez-me lembrar o filme Danças com Lobos… mas ao contrário.

    Acredito que o Pena Rubra voltasse a fazer tudo de novo. Acredito que um grande Amor é capaz de superar todos os obstáculos. E sem Amor… que sentido faz a vida?

    Boa semana!
    beijocas

  16. Cátia,

    Desculpa nem te ter perguntado como estavas…😦
    Tenho a minha cabeça a mil. O fds não foi dos melhores, hoje é 2ªf, e a proximidade do Natal só me deixa de pior humor, ou não tivesse eu ontem já recebido o meu presente. Espetei-me de carro… mas estou bem. É isso que importa né?
    Enfim, estão os presentes comprados e a festa de fim de ano tb me parece feita. Pela ideia que tenho da factura a pagar, fico em contenção até 2009!😀

    Beijoca para ti e as melhoras!

    Carracinha Linda,
    🙂 Afinal és uma crente, uma romântica! Isso é bom!😉
    A vida sem amor seria… sei lá qualquer coisa desenxabida.

    Beijinhos para ti e boa semana!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s